Nem Tudo Está Perdido

Everything’s Not Lost Nem Tudo Está Perdido
When I’m counting up my demons
Saw there was one for every day
With the good ones on my shoulders
I drove the other ones away

So if you ever feel on neglected
If you think that all is lost
I’ll be counting up my demons, yeah
Hoping everything’s not lost

When you thought that it was over
You could feel it all around
And everybody’s out to get you
Don’t you let it drag you down

‘Cause if you ever feel on neglected
If you think that all is lost
I’ll be counting up my demons, yeah
Hoping everything’s not lost

If you ever feel on neglected
If you think that all is lost
I’ll be counting up my demons, yeah
Hoping everything’s not lost

And singing it out
Oh oh oh yeah
Oh oh yeah
Oh oh yeah
And everything’s not lost
So come on yeah
Oh oh yeah
Come on yeah
And everything’s not lost
Oh oh oh yeah
Oh oh yeah
Oh oh yeah
And everything’s not lost
Come on yeah
Oh oh yeah
Come on yeah
Come on yeah
Oh oh yeah
Come on yeah
Everything’s not lost
Sing out yeah
Oh oh yeah
Come on yeah
And everything’s not lost
Come on yeah
Oh oh yeah
Sing out yeah
And everything’s not lost

Now I never meant to do you wrong
that’s what I came here to say
but if I was wrong then I’m sorry
but don’t let it stand in our way
cause my head just aches when I think of
the things I shouldn’t have done
but life is for living we all know
and I don’t want to live it alone
sing ah, ah, ah
sing ah, ah, ah
and you sing ah, ah, ah

Quando eu contei meus demônios
Vi que havia uma para cada dia
Com os bons nos meus ombros
Eu afastei os outros

Então se você sentir-se negligenciada
E se achar que tudo está perdido
Vou estar contando meus demônios, yeah
Esperando que nem tudo esteja perdido

Quando você pensou que tudo tinha acabado
Você podia sentir à volta
E todo mundo quer te pegar
Não deixe isso te puxar para baixo

Caso sinta-se negligenciada
Se pensar que tudo está perdido
Eu vou estar contando meus demônios, yeah
Esperando que nem tudo esteja perdido

Se você sentir-se negligenciada
Se achar que tudo está perdido
Vou estar contando meus demônios, yeah
Esperando que nem tudo esteja perdido

Cantando ah ah ah yeah
Ah ah ah yeah
Ah ah yeah
Ah ah yeah
E nem tudo está perdido
Então vamos lá, yeah
Ah ah yeah
Vamos lá yeah
E nem tudo está perdido
Ah ah yeah
Ah ah yeah
Ah ah yeah
E nem tudo está perdido
Então vamos lá
Ah ah yeah
Ah vamos lá yeah
Vamos lá yeah
Ah ah yeah
Vamos lá yeah
E nem tudo está perdido
Cante, yeah
Ah ah yeah
Vamos lá yeah
Nem tudo está perdido
Vamos lá yeah
Ah ah yeah
Cante, yeah
E nem tudo está perdido

Agora, eu nunca quis fazer mal a você
É isso que eu vim aqui pra dizer
Mas se eu estava errado, então me desculpe
Mas não deixe isso ficar no nosso caminho
Porque minha cabeça doí quando eu penso
das coisas que eu não devia ter feito
Mas a vida é pra ser vivida, todos nós sabemos
E eu não quero vive-lá sozinho
Cantando ah, ah, ah
Cantando ah, ah, ah
E você canta ah, ah, ah

everything_is_not_lost

Anúncios

Avôhai

Um velho cruza a soleira
De botas longas, de barbas longas
De ouro o brilho do seu colar
Na laje fria onde coarava
Sua camisa e seu alforje
De caçador

Oh meu velho e invisível
Avôhai
Oh meu velho e indivisível
Avôhai

Neblina turva e brilhante
Em meu cérebro, coágulos de sol
Amanita matutina
E que transparente cortina
Ao meu redor

Se eu disser
Que é mei sabido
Você diz que é bem pior
E pior do que planeta
Quando perde o girassol

É o terço de brilhante
Nos dedos de minha avó
E nunca mais eu tive medo
Da porteira
Nem também da companheira
Que nunca dormia só

Avôhai!
Avôhai!
Avôhai!

O brejo cruza a poeira
De fato existe
Um tom mais leve
Na palidez desse pessoal
Pares de olhos tão profundos
Que amargam as pessoas
Que fitar

Mas que bebem sua vida
Sua alma na altura que mandar
São os olhos, são as asas
Cabelos de avôhai

Na pedra de turmalina
E no terreiro da usina
Eu me criei
Voava de madrugada
E na cratera condenada
Eu me calei
E se eu calei foi de tristeza
Você cala por calar
Mas e calado vai ficando
Só fala quando eu mandar

Rebuscando a consciência
Com medo de viajar
Até o meio da cabeça do cometa
Girando na carrapeta
No jogo de improvisar
Entrecortando
Eu sigo dentro a linha reta
Eu tenho a palavra certa
Pra doutor não reclamar

Avôhai! Avôhai!
Avôhai! Avôhai!

(Avôhai – Zé Ramalho)

ramalho

Zumbi

Angola Congo Benguela
Monjolo Cabinda Mina
Quiloa Rebolo
Aqui onde estão os homens
Há um grande leilão
Dizem que nele há
Um princesa à venda
Que veio junto com seus súditos
Acorrentados num carro de boi
Eu quero ver
Eu quero ver
Eu quero ver
Angola Congo Benguela
Monjolo Cabinda Mina
Quiloa Rebolo
Aqui onde estão os homens
Dum lado cana de açúcar
Do outro lado o cafezal
Ao centro senhores sentados
Vendo a colheita do algodão tão branco
Sendo colhidos por mãos negras
Eu quero ver
Eu quero ver
Eu quero ver
Quando Zumbi chegar
O que vai acontecer
Zumbi é senhor das guerras
È senhor das demandas
Quando Zumbi chega e Zumbi
É quem manda
Eu quero ver
Eu quero ver
Eu quero ver

(Jorge Ben Jor – Zumbi)

JORGE-BEN-JOR1

Novo Aeon

O sol da noite agora está nascendo
Alguma coisa está acontecendo
Não dá no rádio e nem está
Nas bancas de jornais

Em cada dia ou qualquer lugar
Um larga a fábrica e o outro sai do lar
E até as mulheres, ditas escravas
Já não querem servir mais

Ao som da flauta da mãe serpente
No para-inferno de Adão na gente
Dança o bebê
Uma dança bem diferente

O vento voa e varre as velhas ruas
Capim silvestre racha as pedras nuas
Encobre asfaltos que guardavam
Histórias terríveis

Já não há mais culpado, nem inocente
Cada pessoa ou coisa é diferente
Já que assim, baseado em que
Você pune quem não é você?

Ao som da flauta da mãe serpente
No para-inferno de Adão na gente
Dança o bebê
Uma dança bem diferente

Querer o meu não é roubar o seu
Pois o que eu quero é só função de eu

Sociedade alternativa, sociedade novo aeon
É um sapato em cada pé
É direito de ser ateu ou de ter fé

Ter prato entupido de comida que você mais gosta
Ser carregado, ou carregar gente nas costas
Direito de ter riso e de prazer
E até direito de deixar Jesus sofrer

Dança o bebê
Uma dança bem diferente
Querer o meu
Não é roubar o seu
Pois o que eu quero
É só função de eu
Sociedade alternativa
Sociedade novo aeon
É um sapato em cada pé
É direito de ser ateu
Ou de ter fé
Ter prato entupido de comida
Que você mais gosta
É ser carregado, ou carregar
Gente nas costas
Direito de ter riso e de prazer
E até direito de deixar
Jesus Sofrer

(Novo Aeon – Raul Seixas)

O Amanhã Nunca Se Sabe

Tomorrow Never Knows O Amanhã Nunca se Sabe
Turn off your mind, relax and float down stream,
It is not dying, it is not dying
Lay down all thoughts, surrender to the void,
It is shining, it is shining.
Yet you may see the meaning of within
It is being, it is being
Love is all and love is everyone
It is knowing, it is knowing
That ignorance and hate mourn the dead
It is believing, it is believing
But listen to the colour of your dreams
It is not leaving, it is not leaving
So play the game “Existence” to the end
Of the beginning, of the beginning
Desligue sua mente, relaxe e deixe fluir correnteza abaixo
Não é morrer, não é morrer
Renuncie a todos os pensamentos, renda-se ao vazio,
Está brilhando, está brilhando
Você ainda está por ver que o significado de dentro
É ser, é ser
O amor é tudo e o amor é todos
É saber, é saber
Que a ignorância e o ódio é lamentação dos mortos
É crer, é crer
Mas ouça a cor dos seus sonhos
Não é ir embora, não é ir embora
Então, jogue o jogo “Existência” até o fim
Do inicio, do inicio

(Tomorrow Never Knows – The Beatles)

TomorrowNeverKnows2

Voyage 34 – Phase I

This remarkable, sometimes incoherent transcript illustrates a phantasmagoria of fear, terror, grief, exaltation and finally breakdown. Its highlights have been compressed on this recording to make their own disquieting points.

The time is 9:30 pm, one hour after the participants have eaten sugar cubes saturated with LSD. We hear Brian and his fellow travelers observing their gradual transformation

Brian’s been amusing his friends by chewing on some plastic flashbulbs.

Brian’s mood is gradually changing. He orders all of his friends into another room and closes the door. He sits alone on the wooden floor, visible only by the dim light shining from the bathroom. He talks to himself.

The time is now 1 am. Brian is unable to snap his fingers and terminate the trip, which continues.

He sobs, as his joy turns to fear

Brian’s rocky journey ended twelve hours after it so innocently had begun. He was shattered by it.

Doctor Sidney Cohen:
This young man never had a bummer in some thirty-three LSD trips.
Every one of them was a delight. Everything under control. He needed only to snap his fingers and down he came, any time. But on Voyage 34 he finally met himself coming down an up-staircase and the encounter was crushing

(Porcupine Tree – Voyage 34 – Phase One)

porcupine-tree-voyage-34-complete-2000

Hotel Das Estrelas

Dessa janela sozinha
Olhar a cidade me acalma
Estrela vulgar a vagar
Rio e também posso chorar
E também posso chorar

Mas tenho os olhos tranquilos
De quem sabe seu preço
Essa medalha de prata
Foi presente de uma amiga
Foi presente de uma amiga

Mas isso faz muito tempo
Sobre o pátio abandonado
Mas isso faz muito tempo
Em doze quartos fechados
Mas isso faz muito tempo
Profetas nos corredores
Mas isso faz muito tempo
Mortos embaixo da escada
Mas isso faz muito tempo
Oh ye, mas isso faz muito tempo

Mas isso faz muito tempo
No fundo do peito, esse fruto
Apodrecendo a cada dentada
Oooh
No fundo do peito, esse fruto
Apodrecendo a cada dentada

Mas isso faz muito tempo…

(Jards Macalé – Hotel das Estrelas)