FÉ, RELIGIÃO E DIREITOS SOCIAIS

João Batista Damasceno

Muitas pessoas reclamam da perda dos direitos sociais, mas apoiam políticos que os excluem. Chegam até a financiar líderes religiosos que usam as igrejas para suas ascensões políticas. Reclamam do que promovem.

Viver eticamente implica comportarmo-nos de tal modo que nossa conduta possa ser elevada a valor universal aplicável a todos, inclusive a nós mesmos.

Isto implica sabermos que todas as nossas condutas têm consequências e que devemos ter como nossas as retribuições pelo que fizemos, sem podermos supor como responsabilidade de terceiros o que causamos a nós mesmos e aos outros.

Não é questão de fé. Estes caras são inimigos da classe trabalhadora. Não é questão religiosa ou de fé.

Todo religioso que transforma o altar ou púlpito em palanque é mau caráter.

É corrupto porque corrompe a fé.

É fascista porque fala de um lugar que não permite contestação.

É intelectualmente desonesto porque fala de um lugar que não admite o debate.

Se obtém benefício custeado pela sociedade em proveito pessoal ou da agremiação religiosa que dirige é oportunista e fisiológico.

Se não distingue o público do privado (fé, interesse da sua igreja…) é patrimonialista.

11403021_840193136056564_6524638132013516588_n

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s