Os “deuses” e as religiões

Moedas-de-Ouro-Brasileiras-Raras

Deixem-me falar sobre religião.

Quem estuda um pouco sobre a história das religiões sabe que elas buscam tentar responder a dúvidas sobre “o que estamos fazendo aqui” para que a realidade tenha um motivo ou explicação de existir, seja lá a forma como a conhecemos.

Já a questão “de onde viemos” serve para saber como viemos parar aqui, como fomos construídos, quais nossos limites.

Daí o tal “criador”, aquele que supostamente seria o “culpado” disso tudo.

O ser humano pagão de antigamente entendia que somos resultado de zilhões de forças atuando continuamente, e a essas “forças” se acostumou a chamar de “deuses”.

O magnetismo era um “deus”, a gravidade também, a floresta, as águas, o ar, o fogo…

Assim como certas emoções como ódio, amor, alegria, romantismo ou curiosidade.

Foram então criadas personificações – desenhos, esculturas, estátuas, totens… – para que o ser humano pudesse ter uma forma de concentrar sua atenção nessa “significação” como algo físico, dentro da realidade que consegue lidar.

Creio que todos que pesquisaram chegaram a este ponto de convergência.

E o que fizeram no antigamente? Reuniram todas essas “forças” em um nome só, “Deus”, para resolver vários problemas de identificação.

A força (ideia-pensamento) NACIONALISMO, por ex., acabava por se tornar um “deus de uma região” e atrapalhava as conquistas territoriais.

O que separa as pessoas no mundo são muitas vezes essas “personificações”, esses “deuses” ideologicamente separados. LUXO, RIQUEZA, TIMES DE FUTEBOL, IDEOLOGIA POLÍTICA, EGOÍSMO, VIOLÊNCIA…

Era interessante martelar a ideia de um “deus” só para usar como desculpa para invadir países e tomar territórios. Hoje a desculpa é petróleo, terrorismo, comunismo, racismo…

E é por isso que o capitalismo tornou-se um “deus”, existindo pela crença daqueles que perpetuam essa ideia-pensamento.

__ Anderson Porto